FEIPOL-SUL

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUL

Os servidores públicos estaduais realizaram, nesta terça-feira (03), um dia de protestos contra mais um atraso de salários do governo Sartori/MDB. Desde o início do seu governo, já foram 31 meses em que os servidores deixaram de receber seus salários na íntegra ao final do mês.

Na Capital, a manifestação começou na frente da Agência Central do Banrisul, na Praça da Alfândega, Centro de Porto Alegre. Com um carro de som na frente do banco, Policiais, professores e servidores de vários setores do serviço público protestaram contra o 31º atraso de salários da gestão do governo Sartori/MDB.

A escolha por realizar atos em frente às Agências do Banrisul pelo estado, foi uma forma de denunciar a venda das ações do banco estadual gaúcho. O governo já realizou dois leilões de ações do banco, com a justificativa de que o dinheiro serviria para evitar novos atrasos de salários. Porém, mesmo com a entrega do patrimônio do povo gaúcho, o mês de julho está sendo um dos piores da gestão Sartori/MDB. Somente os servidores que recebem até R$ 1.200 tiveram seus salários pagos em dia e a previsão de pagamento da totalidade dos servidores ficou para depois do dia 20 de julho. Os manifestantes aproveitaram o ato, para pedir a apuração das denúncias de irregularidades na veenda das ações do Banrisul. O MP abriu um inquérito para apurar possíveis favorecimentos na oferta de ações, com possíveis danos ao patrimônio público.

Da Praça da Alfândega, os servidores partiram em caminhada até o Palácio Piratini. Na Praça da Matriz, foi realizado mais um ato público, denunciando o governo Sartori/MDB e sua política que está levando o RS à falência. Várias entidades se pronunciaram no carro de som, onde a tônica foi a importância das eleições de outubro. Os sindicalistas ressaltaram que é fundamental que a população observe com atenção a atuação dos candidatos durante o governo Sartori/MDB, lembrando daqueles que votaram a favor dessa política que representou o desmonte do serviço público gaúcho.

O dia de manifestações, foi encerrado com os servidores ocupando as galerias do plenário da Assembleia Legislativa. Com palavras de ordem, os manifestantes exigiram que os deputados intercedam para o pagamento integral dos salários.

Foto: Luiza Castro