Policiais militares, civis e agentes penitenciários de SP fazem novo protesto por melhores salários

Categoria tem se manifestado desde o mês passado e também pede solução para déficit de servidores, que tem comprometido atividades e a saúde das equipes.

Por g1 SP — São Paulo

Servidores da segurança pública de São Paulo realizaram nesta quinta-feira (18) mais um protesto por aumento salarial nas imediações do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do estado, na Zona Sul da capital.

A categoria tem se manifestado desde o mês passado. Em outubro, dois atos foram realizados em frente ao Palácio da Polícia, no Centro da capital; um terceiro aconteceu nas imediações do Palácio dos Bandeirantes, e mais um protesto foi feito em frente à Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

Nesta quinta, por volta das 10 horas, um grupo de policiais militares, civis e agentes penitenciários se reuniu na Praça Vinicius de Moraes, no bairro do Morumbi.

Entre os organizadores estavam o Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional (Sifuspesp), a Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar (ACS) e o Sindicato dos Delegados e Delegadas de Polícia (Sindpesp).

Eles levaram faixas com as inscrições “Os policiais do estado de SP estão morrendo” e “Melhor polícia, com pior salário?”.

Além do aumento salarial, os manifestantes pedem uma solução para o déficit de servidores, que tem comprometido as atividades e a saúde das equipes.

Os manifestantes dizem que o panorama contraria uma das promessas de campanha do governador João Doria (PSDB), que se comprometeu a investir na recomposição da categoria ao assumir o cargo, em janeiro de 2019. A sigla do partido do governador tem sido usada nos protestos com as inscrições “Pior Salário Do Brasil”.

Segundo os policiais, a realização dos atos foi decidida após uma reunião da categoria com o deputado estadual Major Mecca (PSL).

Problemas

Os agentes penitenciários dizem que estão há sete anos sem reajuste salarial, e um levantamento feito pelo Sindicato dos Delegados mostrava que o salário deles é o menor entre todos os estados e o Distrito Federal.

Outro levantamento da categoria identificou que dois policiais civis abandonam a carreira por dia, em média, no estado, e que o número de casos de suicídio entre policiais civis em São Paulo é três vezes maior do que o de mortes em serviço.

Em 2019, uma fiscalização do Tribunal de Contas do estado apontou uma série de problemas de infraestrutura e falhas no atendimento em 275 prédios que abrigam delegacias de polícia de todo o estado de SP.

Entre os problemas apontados pelo órgão, estava o fato de que mais da metade da frota das viaturas está sem revisão, 60% das delegacias apresentaram problemas estruturais e 83% não possuem Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros. Havia também infiltrações e vazamentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Education Template